Menu Fechar

Espiritualidade

Espiritualidade

Eu não entendo, o Crucificado, sem dimensão de ressurreição, encarno a Páscoa na minha vida, vivo o mistério da redenção (Terezinha Cruz, MJC.).

RETIRO MENSAL DE MARÇO – 2022

TEMA: Retomar nosso compromisso no Seguimento de Jesus.

– Preparar o ambiente com símbolos do tempo quaresmal e da CF 2022

Canto inicial: Hino ao Espírito Santo (livro do XV Capítulo Geral).

1.INTRODUÇÃO:

Somos convidadas neste tempo da quaresma a retomar a experiência de Jesus no deserto. Tempo de preparação para a sua missão, tempo de busca, de perceber os apelos de Deus em sua vida.

Procurar retomar mais uma vez as escolhas que Jesus fez para responder aos apelos que ele tinha ao assumir o Projeto Libertador de Javé. Perceber também as resistências que ele enfrentou em sua missão e, que meios usou para se fortalecer, chegando a ser capaz de entregar a vida na cruz.

Nós, MJC nos comprometemos em segui-lo, sendo este tempo quaresmal propício para retomar este nosso compromisso de seguimento.

– A quaresma é também enriquecida pela proposta da Campanha da Fraternidade que este ano tem como tema Fraternidade e Educação. Somos convidadas a olhar a realidade educacional em que vivemos e confrontá-la com a prática de Jesus e seus ensinamentos. Diante de Jesus somos sempre aprendizes. A CF o apresenta como aquele que “fala com sabedoria e ensina com amor, ” que é o lema desta companha.

– Não podemos ainda nos esquecer e trazer também para nossa oração a preparação para o Sínodo, convocado pelo Papa Francisco. É uma proposta corajosa em que toda a Igreja é convocada a participar efetivamente, a se manifestar como cristãs e cristãos numa “Igreja em saída” e que já está acontecendo em várias etapas.

Canto: Minha vida eu quero doar … (livro do XV capítulo geral – nº 34)

  1. ACOLHENDO AS LUZES DA PALAVRA DE DEUS:
  2. MANTRA: A Palavra de Deus é luz/ que nos guia na escuridão/ é semente de paz, de justiça e perdão (Bis)

LEITURAS:

– Lc 4, l4-22 –  Jesus apresenta à comunidade de Nazaré sua missão e a fundamenta na unção do Espírito.

– Jo 8,1-11 –  Aprender de Jesus que ‘fala com sabedoria e ensina com amor’

4.PARA REFLETIR E REZAR:

– Como podemos trazer para nossa vida e missão estas provocações: as opções de Jesus, a CF e o convite do sínodo?

– Como o seguimento de Jesus como MJC nos desafia hoje?

– Como aprender de Jesus que “fala com sabedoria e ensina com amor”?

– Trazer presente a realidade da Educação em nosso país, neste contexto de pandemia.

5.CELEBRANDO O DIA:

Pode-se iniciar, repetindo o mantra ou o Canto do Servo. (n° 13 do livro do XV  capítulo geral)

6.PARTILHE AS PROVOCAÇÕES DO ESPIRITO QUE VOCÊ PERCEBEU EM SUA ORAÇÃO. 

7.REZAR JUNTAS: O PAI NOSSO E A ORAÇÃO DA CF 2022:

“Pai Santo, neste tempo favorável de conversão e compromisso, dai-nos a graça de sermos educados pela Palavra que liberta e salva.  – Livrai-nos da influência negativa de uma cultura, em que a educação não é assumida como ato de amor aos irmãos e de esperança no ser humano. – Renovai-nos com a vossa graça para vencermos o medo, o desânimo e o cansaço, e ajudai-nos a promover uma educação integral, fraterna e solidária. – Fortalecei-nos para que sejamos corajosos na missão de educar para a vida plena em família, em comunidades eclesiais missionárias, nas escolas, nas universidades e em todos os ambientes. – Ensinai-nos a falar com sabedoria e educar com amor! – Fazei com que a Virgem Maria, Mãe educadora, com a sabedoria dos pequenos e pobres, nos ajude a educar e servir com a pedagogia do diálogo, da solidariedade e da paz.

Por Jesus, vosso Filho amado, no Espírito, Senhor que dá a vida. Amém. ”

  1. 8. CONCLUIR PEDINDO AS BÊNÇÃOS DE NOSSA MÃE E RIQUEZA.

A mística que nos impulsiona

A nossa espiritualidade como Missionárias de Jesus Crucificado tem como raiz o Mistério Pascal, porque contemplar a realidade com a perspectiva da Paixão/Ressurreição de Cristo nos ajuda a ver com esperança a paixão dos empobrecidos. Uma contemplação que nutre a utopia, fortalece o compromisso e torna-se profecia. E, nesse aspecto da profecia, Maria ao pé da cruz é nosso modelo e Mestra. De pé, em um espaço proibido, ela desafia o poder que exclui. Com olhos fixos em Jesus, corajosa, solidária, livre, toda de Deus e dos pobres, ela se solidariza com a vida massacrada.

Como Maria, queremos estar de pé, junto ao povo crucificado: mulheres, homens, jovens, crianças cujas mortes são antecipadas, porque suas vidas não têm a menor importância para o sistema do mercado, do dinheiro.

Este é um aspecto da mística que leva as MJC a viverem muito próximas dos pobres, lutando com eles por seus direitos e contra todo tipo de dominação. Neste tempo de tanta violência, a mansidão que nos faz ir adiante, sempre. A mansidão e a bondade eram a expressão concreta da espiritualidade de Maria Villac, nossa fundadora. Ela dizia: “Bondade é o espírito do nosso Instituto. Eu gostaria de deixar isso escrito com o meu sangue, tão importante acho a conservação deste espírito para a continuidade do Instituto.”

Fazer, hoje, um voto de seguir Jesus manso é um grande desafio para nós, não somente por causa da vivência comunitária da mansidão, mas no trabalho e nas relações sociais, porque a mansidão que buscamos nada tem a ver com a indiferença, com a insensibilidade. É a capacidade de interiorizar, refletir e agir em comunidade, em conjunto, buscando estratégias para abrir caminhos de libertação junto com os pobres.

Alimentamos nossa mística através da Palavra de Deus que nos ilumina nas nossas buscas, possibilitando experiências libertadoras de Deus. São estas experiências que nos levam a reconhecer os sinais da presença de Deus e a escutar os clamores da realidade que desafia a uma ação concreta, para ser um sinal dessa presença em resistência esperançosa.