Missionárias de Jesus Crucificado

Missionárias de Jesus Crucificado

Palavra do Fundador e Fundadora

 Nossa Vida Consagrada

·         A vida religiosa é “seguimento de Cristo” e a vida de Cristo foi fazer a vontade do Pai. Reavivemos nossa vocação de “seguidoras de Cristo” que, virgem, humilde, pobre e obediente até a morte de cruz, deu-se aos homens para a salvação de todos. (Circular  Maria V illac 05.12.1966)

·         Por vocação e eleição divinas somos seguidores de Cristo, chamadas à configuração crescente com ele. (Circular Maria Villac 15.12.1967)

·         Nossa consagração religiosa missionária deve ser aquela “terra fértil” de que fala o Evangelho, na qual a “semente lançada” germinou e frutificou cem por um. (Circular Maria Villac 10.04.1967)

·         A fé é o alimento da vida religiosa. Se tenho fé, morro realizando todo o programa da minha vocação. (Conferência Dom Barreto 20.01.1936 e 21.01.1936)

·         A  missionária tem a vida mista: contemplativa e ativa. É o ministério de Nosso Senhor. O que as senhoras fazem é o que Jesus fazia (Conferência Dom Barreto 23.03. 1937)

·         Procurem ter a vida de oração animada pelo espírito de fé e, aos poucos, entrarão na contemplação. ( Conferência Dom Barreto 07.01.1936)

·         Para sustentar a vida religiosa temos a oração como uma necessidade. A oração é esta intimidade que vamos manter com Deus (Conferência Dom Barreto 08.01.1936)

·         A ação das senhoras consiste em dar o que recebem pela oração. Dão ao próximo pela caridade o que receberam pela vida interior. Comunicam ao próximo pelo apostolado o que receberam na oração (Conferência Dom Barreto 21.01.1936)

·         Sim a Missionária, mais do que qualquer outra religiosa, deve ter a arma da oração (Conferência Dom Barreto 09.06.1936)

·         A vida contemplativa é oração. Pelas orações que fazem, pelo cumprimento exato do dever, pelo espírito de recolhimento, silêncio de alma, vida interior, presença de Deus, terão o terreno preparado. ( Conferência Dom Barreto 07. 01.1936)

·         As senhoras em sua vida contemplativa e de apostolado são como quem tem um pé no mundo e outro no convento (Conferência Dom Barreto 25.06.1936)

·         Quando a jovem vem para o Instituto ela vai entregar a sua liberdade nas mãos de Nosso Senhor. É o voto de Obediência. O alimento da religiosa é fazer a vontade de Deus (Conferência Dom Barreto 15.04.1937)

·         Na vida religiosa quem não praticar a pobreza não poderá ser fiel aos outros dois votos (Conferência Dom Barreto 10.09.1936)

·         A virtude que mais atrai os olhares de Deus é a pobreza. E há casas que sentem o peso da mão de Deus porque se esquecem desse voto (Conferência Dom Barreto 30.04.1936)

·         A vocação religiosa comunitária, mesmo em se tratando de comunidades com pequeno número de Irmãs, é fruto de vivência real da caridade que nos leva a uma consagração exclusiva e perene a Deus só é, em nome deste Deus, na força que nos vem d’Ele é que nos congregamos em uma Congregação, em uma comunidade, sem vermos cor, cultura, temperamento, caráter, simpatia, fineza, etc, daquelas que conosco vivem a mesma consagração (Circ. Maria Villac 15.12.1968)

·         Como se é pobre? Pelo desprendimento. A pobreza se vive pelo despojamento (Conferência Dom Barreto 11.03.1937).

Nossa Formação

·         Seja Cristo o centro único de nossas vidas. Cristo pereniza a Igreja dá sentido e vitalidade à nossa vocação (Circula Maria Villac 15.12.1967

·         Maria, a Mestra dos Apóstolos, será também a vossa. Como Maria possais desempenhar no meio do mundo o papel extraordinário de missionária mansa e humilda (Conferência Dom Barreto 11.01.1936)

·         É preciso que no Instituto se forme o próprio caráter por amor e não por temor. A verdadeira santidade está em fazer tudo por amor. (Conferência Dom Barreto 09.06.1936)

·         Precisamos formar as missionárias, mas é preciso que elas sejam almas de oração (Conferência Dom Barreto 10.06.1937)

·         Noviciado quer dizer: religiosas novas; aquele tempo em que devemos aprender a nos tornar boas religiosas e adquirir o espírito da Congregação (Conferência Dom Barreto 18.10.1936)

·         No juniorado devem continuar formando o seu caráter religioso, a sua nova natureza. A formação será dada pela vontade (Conferência Dom Barreto 03. 12. 1936)

·         As senhoras têm Nossa Senhora como Mestra (Conferência Dom Barreto 20.01.1936)

·         As Missionárias são como os apóstolos: levam a sua palavra pela Ciência e pela virtude.  (Conferência Dom Barreto 08,04.1937)

·         As Missionárias precisam do conhecimento das coisas que vão pregar no próprio apostolado (Conferência 21.07.1938)

·         As Missionárias devem estudar sempre. A ciência está sempre em evolução. (Conferência Dom Barreto 02.09.1937)

·         Seria bom que as Irmãs estudasse filosofia, sociologia, Economia, Política, etc. que uma ou outra Missionária siga esses cursos para o bem do Instituto é bom (Conferência  Dom Barreto 07.07.1937)

·         Não  só no noviciado como nas casas de fora, as Missionarias devem ter assinaturas de revistas religiosas sobre o ensino de catecismo, de coisas novas sobre a ciência religiosa, ascética e mística. Assim, as senhoras acompanham o movimento científico-religioso ( Conferência 02;09.1937)