Missionárias de Jesus Crucificado

Missionárias de Jesus Crucificado

História

AME – Associação Missionárias/os Externos da Congregação das Missionárias de Jesus Crucificado.

Em Campinas, desde de 1919, por iniciativa de Maria Villac, começou a se reunir um grupo de moças e senhoras piedosas, para pequenas práticas de piedade em comum: meditações e via-sacra. Estas práticas de piedade faziam delas apóstolas destemidas, em seus lares e vizinhanças. Era um grupo unido pela amizade, que se estimulavam no trabalho das virtudes, guiadas pela sabedoria do Pe. Domingos Geovannini. 
Em 1922, surgiu entre elas o desejo de uma comemoração particular, muito intensa e fervorosa, da Sexta Feira da Paixão. Esta primeira prática despertou a atenção de outras e o grupo foi crescendo. Surgiu, então, em Julho, a idéia de um pequeno regulamento que organizasse melhor o grupo.Esse Regulamento foi feito e apresentado ao Sr. Bispo, Dom Francisco de Campos Barreto, que o aprovou. Escolheu-se o nome de “Missionárias de Jesus Crucificado”para a nova associação Sua diretora, Maria Villac, recebeu, nesta ocasião a adesão de 62 pessoas, senhoritas e senhoras. Dom Barreto, bispo de Campinas, deu à Associação das Missionária de Jesus Crucificado a incumbência de organizar centros de catecismos, de fazer visitas às csas dos pobres, dos operários e de pessoas enfermas. 
Quando em 1927, Maria Villac foi pedir a Dom Barreto a aprovação da folhinha mensal, este viu que chegara o momento providencial de conversar sobre a necessidade de assegurar o futuro da Associação das Missionárias de Jesus Crucificado.
Temos vários grupos da AME no Brasil e no exterior, vivenciando o Carisma, Mística, Espírito e Espiritualidade da Congregação das Missionárias de Jesus Crucificado, são acompanhados e acompanhadas  com muito carinho, pois formamos uma família.


PENSAMENTOS DOS FUNDADORES:

“Bondade é o espírito do nosso Instituto. Eu gostaria de deixar isso escrito com meu próprio sangue, tão importante  a conservação deste espírito. “MV

 “Somos uma seqüência de Paulo e só queremos pregar a Cristo Crucificado, princípio de vida”. DB